Como a Inteligência Artificial está se tornando uma arma eficaz na guerra contra o cibercrime?

Por: tegUP, aceleradora de startups.   130

 

Os cibercrimes estão cada vez mais sofisticados e podem envolver invasões de sistema, disseminação de vírus, roubo de dados pessoais, falsidade ideológica, acesso a informações confidenciais, entre outros. 

A tendência é que a próxima leva de crimes cibernéticos seja ainda mais devastadora, pois vai tirar partido de uma das principais tecnologias da atualidade: a Inteligência Artificial. 

Segundo o FBI, o uso de Inteligência Artificial está causando um aumento significativo de cibercrimes, já que as tecnologias automatizadas podem dar origem a ataques informáticos ainda mais rápidos e poderosos, sem necessitar da inteligência ou mão de obra humana para isso. 

Para James Trainor, que integrou durante duas décadas a divisão de cibercrimes do FBI, as tecnologias usadas para automatizar sistemas vão também dar origem a ataques on-line ainda mais poderosos. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Cylance, 60% dos especialistas em segurança cibernética acreditam que, até o fim de 2019, hackers usarão Inteligência Artificial e Machine Learning para aprimorar seus ataques, iniciando uma verdadeira guerra de terabytes nas redes de computadores.  

Com a ajuda da automação, os criminosos terão a possibilidade de iniciar dezenas de ataques que poderão passar despercebidos durante longos períodos antes de serem detectados. 

Por outro lado, os sistemas inteligentes também podem se tornar uma arma poderosa contra a atividade de cibercriminosos. 

Uma nova tecnologia, apresentada pela G Data no início de 2019, é capaz de detectar malwares camuflados nos sistemas e na memória dos dispositivos afetados. 

Com base em padrões associados a comportamentos familiares dos códigos maliciosos, a DeepRay, como é chamada, é capaz de adentrar as diversas camadas que camuflam o malwarechegando ao seu núcleo e bloqueando em tempo real as investidas realizadas pelos cibercriminosos. 

Se a tecnologia encontrar qualquer arquivo suspeito, ela fará uma análise detalhada na memória do dispositivo à procura de padrões que possam ser atribuídos ao núcleo das famílias de malware ou que apresentem qualquer comportamento nocivo, neutralizando-os imediatamente. 

Como vimos, a IA avançada pode ser útil tanto para as companhias quanto para os cibercriminosos, que poderão executar ataques mais sofisticados e customizados.  

Acompanhar o ritmo dos ciberataques vai ser um dos principais desafios para os desenvolvedores softwares e sistemas, que precisarão criar tecnologias avançadas para evitar que as máquinas sejam manipuladas, drones sejam hackeados para uso indevido e que meios de transporte autônomos não sofram ataques durante seu funcionamento, por exemplo. 

O que podemos afirmar é que, em um futuro não tão distante, as empresas começarão a recorrer à IA para desenvolver assistentes capazes de emitirem alertas e agirem imediatamente contra os ataques. 

 00

Sobre o Autor    

A tegUP é uma aceleradora de startups e braço de inovação aberta da Tegma Gestão Logística. A aceleradora apoia startups e empresas de tecnologia transformadoras que ofereçam produtos, serviços e tecnologia relacionados ao universo da Logística, apresentem alto potencial de evolução e necessitem de algum tipo de suporte para acelerar seu crescimento.     

www.tegup.com





Siga-nos nas redes:

Facebook Linkedin
.